Uniube Uberlândia promove oficina pedagógica para alunos do Ensino Médio da rede pública

16 de setembro de 19
1 / 2
2 / 2

Os professores, Luciene Chagas de Oliveira e Stéfano Schwenck Borges Vale Vita, da Uniube Uberlândia, realizaram, no dia 30 de agosto, uma oficina pedagógica na Escola Estadual Ângela Teixeira da Silva. O objetivo da oficina foi apresentar o projeto de extensão Maratona de Programação e Computação.


A Maratona de Programação é um evento tradicional da Sociedade Brasileira de Computação - SBC, sendo uma das mais importantes competições científicas do país. Além disso, é a mais antiga, respeitada e conhecida competição científica na área de tecnologia e informação.


Com foco em alunos do Ensino Superior e Médio, a maratona visa à formação de talentos na área. A competição estimula a capacidade do aluno em resolver problemas computacionais de forma rápida e eficiente, o que, no futuro, será uma das habilidades principais exigidas de um profissional de computação. Os participantes são potenciais líderes e formadores de opinião no âmbito acadêmico e, posteriormente, no profissional.


De acordo com a professora Luciene, a oficina na escola é uma porta de entrada para despertar o interesse dos futuros profissionais da computação, antes mesmo deles adentrarem o espaço acadêmico. “Atualmente, observa-se que a participação de alunos das áreas de tecnologia em competições de maratonas de programação é muito importante. Além disso, as maratonas de programação estimulam o raciocínio lógico dos alunos, o que ajuda nas disciplinas de matemática, química e física”.


Segundo a professora Paula Galvão, da Escola Ângela Teixeira, tanto os professores quanto os alunos aderiram à proposta do projeto. “O trabalho em conjunto entre universidade e Ensino Médio é muito importante para que nossos alunos tenham um melhor conhecimento de Engenharia da Computação. Além disso, com a apresentação da Maratona de Programação, podemos estimular esses alunos a se interessar pela carreira acadêmica”, esclarece Galvão.


Para o professor Stéfano, o projeto é uma via de mão dupla. “Vejo que ações nesse sentido são importantes para que os alunos da rede pública possam ter contato com projetos desenvolvidos em uma universidade. E para a Uniube esses projetos visam aproximar alunos da comunidade com a universidade”, finaliza o professor.