Workshop reuniu médicos para tratar os avanços e desafios da Medicina Laboratorial

29 de março de 17
1 / 9
2 / 9
3 / 9
4 / 9
5 / 9
6 / 9
7 / 9
8 / 9
9 / 9

O Mário Palmério Hospital Universitário (MPHU) realizou, na terça-feira (28), o Workshop sobre “Diagnóstico do Infarto e Medicina Laboratorial". O evento teve a parceria da Ortho Clinical Diagnostics, empresa com mais de 70 anos no mercado de Medicina Laboratorial e presente em mais de 120 países. Médicos convidados, residentes, professores da Universidade de Uberaba (Uniube) e membros do corpo clínico e administrativo do MPHU participaram do Workshop, que tratou de novidades, no setor, com foco no diagnóstico do infarto.


O diretor clínico do MPHU, Daniel Hugo Winter, representou o professor e diretor do hospital, Galvani Salgado Agrelli, e falou do desafio dos médicos em conhecer mais a fundo as novas ferramentas da medicina laboratorial, com objetivo de promover, cada vez mais, rapidez e precisão nos diagnósticos. “Temos orgulho pois somos referência em termos de metodologia para diagnóstico, através do nosso laboratório clínico, acompanhando os melhores hospitais do país”, ressaltou Daniel Winter.


Durante o evento, também, foram apresentados os novos serviços oferecidos no laboratório do MPHU. O coordenador do laboratório, o biomédico Diego Cruvinel Maciel falou sobre o início do atendimento de coleta domiciliar, do check-up completo e do cartão fidelidade, entre outros serviços já existentes.


A principal atração do Workshop foi a palestra do Dr. Carlos Eduardo dos Santos que explicou como a medicina laboratorial contribui para a prática clínica, nos dias de hoje. “A partir do momento que o médico conversa com o paciente e o examina, ele deve solicitar os exames complementares para confirmar ou excluir suas hipóteses diagnósticas. Os exames de laboratório contribuem muito para a prática clínica e devem ser solicitados com critérios”, reforçou o Dr. Carlos Eduardo.


Como coordenador médico do departamento de Química Clínica do Laboratório Clínico do Hospital Albert Einstein, o palestrante afirmou que a disseminação de informações a respeito dos protocolos clínicos e diagnósticos deve ser feita constantemente.


Ainda de acordo com o Dr. Carlos Eduardo, as doenças do aparelho cardiocirculatório são uma das principais causas de morte no país, com destaque para o Infarto e o Derrame (AVC – Acidente Vascula​​r Encefálico). “Para conseguirmos reduzir o número de pessoas acometidas, um ponto importante é a prevenção. Existem dois principais fatores de risco modificáveis que devem ser exaustivamente combatidos: o tabagismo e a dislipidemia (colesterol alto)”, destacou o médico.