Unitecne e Instituto Aondê aprovam projeto no Edital Água

30 de junho de 21
1 / 1

O projeto Recomposição Florestal da Área de Preservação Permanente (APP) do Córrego da Saudade e Estruturação de Parque Linear foi um dos aprovados para participar do Edital da Água, da empresa Mosaic Fertilizantes. A ação é desenvolvida pelo Instituto Ambiental Aondê, em parceria com a Incubadora de Empresas da Uniube (Unitecne) e tem o objetivo de revitalizar as áreas ligadas ao Córrego da Saudade, afluente do Rio Uberaba.


O projeto foi aprovado pelo terceiro ano consecutivo. Nele, constam 12 meses de atividades de limpeza e remodelação da área, oferta de cursos e capacitações, bem como ações de educação ambiental para a conservação e preservação do local. "Essa aprovação é muito importante, pois reforça o compromisso institucional da Uniube de levar conhecimento e tecnologia, por meio de nossos alunos, professores e parceiros. Cumpre assim seu compromisso e responsabilidade corporativa em benefício da sociedade ao propiciar melhores condições de vida e saúde para a população com a execução desse projeto que visa à recuperação de uma APP urbana, plantio de árvores frutíferas, ações de educação ambiental, redução do descarte irregular de lixo e melhorias na infraestrutura do local", destaca a coordenadora da Unitecne, Dionir Andrade.


A Unitecne e o Instituto Aondê serão responsáveis pela execução operacional do projeto, assim como pela produção de um e-book para socializar o conteúdo técnico. "O Córrego da Saudade é uma área em um bairro mais carente da cidade, onde está localizada a Casa de Educação Ambiental do Instituto Aondê. E por ser um bairro mais carente, é também mais periférico, por isso, alvo de descarte de lixo da população. Nosso projeto pretende revitalizar o lugar e entregar à população do bairro um local onde elas possam usufruir. Então, assim, é um projeto que vai enriquecer muito o lugar em questões de qualidade ambiental para a população que mora aos arredores", explica a engenheira ambiental, Aline Claro de Oliveira.


O projeto será realizado em área de 10.000m² e prevê a capacitação e uso de mão de obra local. "Pretendemos promover a governança participativa e a ciência cidadã, por meio do envolvimento da comunidade pela capacitação de jovens e adultos para atuar como multiplicadores, realizar cursos de observação de aves, implantar jardim para polinizadores e pomar comunitário, recompor 2.000 m² de APP com vegetação nativa, criar uma pista de caminhada, ampliar a horta comunitária e publicar um e-book.  O Instituto Ambiental Aondê adotará a área para conservação e manutenção do projeto, promoção da educação ambiental e busca de parcerias para novas ampliações", complementa Dionir.