Reforma trabalhista é discutida em palestra na Uniube

08 de maio de 17
1 / 6
2 / 6
3 / 6
4 / 6
5 / 6
6 / 6

A palestra sobre "Reforma Trabalhista" lotou o Anfiteatro 2D56 da Universidade de Uberaba (Uniube), no campus aeroporto, na última sexta-feira (05). O evento foi promovido pelo curso de Direito e ministrado pelo Juiz do Trabalho, Dr. Flávio Vilson da Silva com a participação especial da Dra. Jussara Melo Pedrosa.


O encontro forneceu uma explanação sobre os pontos principais da reforma trabalhista, também direcionou os participantes para a conscientização de mudanças necessárias na sociedade. “A gente precisa ser mais cidadão. Pensar em uma sociedade mais justa e fazer a nossa parte.  Não pode cobrar só dos outros e imaginar que o estado está todo errado, os deputados é que não prestam. A gente tem que fazer a nossa parte, dar exemplo, educar nossos filhos, agir melhor na sociedade, abrir mão de vantagens em prol da coletividade. Essa é a grande lição que temos que aprender, cedo ou tarde”, explicou o Juiz Flávio.


De acordo com a Dra. Jussara, a modificação mais preocupante que o projeto de lei da reforma trabalhista traz é o Contrato Intermitente. “Se for aprovado, a pessoa deve ter consciência do que vai acontecer e se prevenir, tanto o empregador, quanto o empregado. O Contrato Intermitente é o contrato no qual o empregador vai contratar o empregado por hora, dia ou mês. Então ele vai contatar esse empregado três dias antes e o deixar com uma insegurança, já que ele estará à disposição do empregador, não sabendo quantos dias e qual será o seu salário realmente”, afirma a advogada.


Ainda segundo a Dra. Jussara, a palestra serve para levar conhecimento à população sobre a proposta de reforma trabalhista. “As pessoas só têm conhecimento frente à noticiários. Então, essas palestras são feitas para levar para toda a comunidade, não só os estudantes do Direito, o que irá acontecer se for aprovado esse projeto da reforma trabalhista”, reforçou.


O evento foi aberto ao público, atraindo diversos estudantes e profissionais. “Muitas são as discussões e as opiniões contra e a favor. De toda forma, haverá alterações nas normas trabalhistas. Portanto, o tema merece a atenção dos estudantes de Direito, pois influencia a formação dos que já estudaram Direito do Trabalho e, certamente, com as modificações, os pontos alterados serão objeto de questionamentos na OAB, em concursos e no ENADE”, completou a coordenadora do curso professora Andrea Queiroz Fabri.