Projeto Amizade Compatível participa do Hemo 2018

19 de fevereiro de 19
1 / 6
2 / 6
3 / 6
4 / 6
5 / 6
6 / 6

Quatro trabalhos do Programa Amizade Compatível, da Extensão Uniube, foram aprovados e apresentados no Congresso Brasileiro de Hematologia e Terapia Celular, o terceiro maior da área no país. Ele reúne médicos, residentes, estudantes, biomédicos, enfermeiros e farmacêuticos. O objetivo é a atualização clínica dos profissionais presentes, oferecendo aos pacientes melhor qualidade de vida.


A participação dos alunos foi feita em 2018, com a divulgação dos dados produzidos por meio da extensão universitária. “Esta participação renova o ciclo ensino, pesquisa e extensão, assim o aluno participa dos três pilares da educação. Em 2019, continuaremos as atividades com a comunidade em Uberaba e Uberlândia e agora vamos trabalhar também com a conscientização universitária para cadastro e doação de sangue e medula óssea com os alunos da modalidade a distância”, explica a coordenadora da Extensão da Uniube e do Projeto Amizade Compatível, Maria Theresa Laguna.


O estudante do 7º período de Medicina, Diego Rodrigues Naves Barbosa Lacerda, teve participação com dois trabalhos. “Apresentamos um que tem o objetivo de caracterizar o perfil e o grau de informações dos docentes de uma universidade acerca da doação de Medula Óssea (MO) e o outro visa descrever o uso de inibidores de Tirosinaquinase (ITKs), de primeira e segunda geração, em doze pacientes com Leucemia Mielóide Crônica (LMC), que estavam sob tratamento em um hospital de assistência na área oncológica, localizado na cidade de Uberaba”, descreve o aluno.


Para Diego, os projetos extensionistas e professores envolvidos incentivam os alunos a buscarem ferramentas que auxiliam na construção acadêmica, curricular e profissional. “A extensão é uma forma de aplicar o conteúdo aprendido em sala de aula na comunidade, tendo assim uma oportunidade de aprendizado com a realidade, obtendo crescimento pessoal e profissional. Entender as necessidades da comunidade é fundamental para a formação de um profissional competente, capaz de contribuir para a realidade que o cerca”.


Um dos trabalhos aprovados visou analisar o conhecimento de alunos que cursam a graduação na modalidade a distância sobre os temas: Doação de Sangue e Doação de Medula Óssea. “A apresentação no HEMO foi uma experiência diferente, visto que por ser um evento de abrangência nacional exigiu maior dedicação para desenvolver o trabalho. Além disso, fiquei muito feliz pela oportunidade de ter apresentado em um congresso, já que nunca havia feito isso”, destaca a aluna do 8º período de Medicina, Cibele da Silveira Corrêa.


Ainda segundo a aluna, o trabalho foi importante para a obtenção de dados acerca do conhecimento dos alunos da EaD sobre os temas. A partir das respostas obtidas, o projeto irá direcionar ações que visam a conscientizá-los sobre a importância da doação de sangue e do cadastro de medula óssea. “Sem dúvida estender nossas ações do projeto ao público EaD é muito importante para conscientizarmos o maior número de pessoas possíveis”, continua.


Os alunos da EaD contam com o apoio e orientação do professor Ricardo Baratella, que auxilia na aplicação do questionário para os estudantes da modalidade, na produção textual, na análise dos resultados e na divulgação para alunos desta modalidade sobre a doação de sangue e medula óssea. “ Os alunos se tornam multiplicadores dos conhecimentos adquiridos. É primordial a conscientização deles para a doação de sangue e cadastro de medula óssea, visto que estamos formando profissionais comprometidos com a sociedade e esperamos que o trabalho deste projeto nos polos de apoio presencial (EaD) seja efetivo. Por isso, é muito importante que os educandos, professores, técnicos administrativos e demais colaboradores da instituição se conscientizem, multipliquem ideias e convidem amigos e a comunidade para irem e doarem, ajudando nas demandas do município ou região em que residem”.


Sobre os planos para 2019, o professor reforça que haverá uma participação permanente nos polos de apoio presencial e, portanto, com a participação dos acadêmicos no projeto em sua comunidade. “Esperamos que vários artigos e outros tipos de produções possam surgir das experiências vivenciadas pelos alunos da EaD. É importante destacar que os cursos EaD da Uniube apresentam currículos inovadores, com a implementação de um ensino híbrido ou blended learning, que é uma das tendências da educação do século XXI. Eles promovem uma integração entre o ensino presencial e propostas de ensino on-line, visando à personalização do ensino, por meio de diferentes formas de experimentação e compartilhamento, dentro e fora da sala de aula, com mediação de docentes "inspiradores" e incorporação de todas as possibilidades do mundo digital”, conclui.


Trabalhos aprovados
- Conhecimento dos graduandos da modalidade educação a distância sobre doação de sangue e medula óssea


- Falta de informação sobre doação de medula óssea entre docentes de uma universidade


- Perfil universitário frente à doação de sangue – uma visão do Triângulo Mineiro e região


- Uso de inibidores de tirosina quinase no tratamento da leucemia mieloide crônica em pacientes atendidos em um hospital de Uberaba (MG) –


 Resumos disponíveis em: http://hemo.org.br/wp-content/uploads/2018/10/HTCT_HEMO_2018_WEB_ComAnuncio.pdf