Professora da Psicologia Uniube é aprovada em mestrado na USP

19 de outubro de 21
1 / 1

A professora do curso de Psicologia da Uniube, Paula Santana Carvalho, fará parte do Programa de Mestrado de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento, da Universidade de São Paulo (USP), a partir deste semestre. Os estudos da professora seguirão a linha de pesquisa de Desenvolvimento Humano e Aprendizado. Segundo Paula, a escolha da linha de estudo se deu pela proximidade do tema que já era estudado por ela durante período de Iniciação Científica na Uniube.


A docente conta que a linha de estudo do mestrado terá como tema "A influência da pobreza no desenvolvimento cognitivo e afetivo de crianças na primeira infância". Além de professora na Universidade, Paula também é egressa do curso de Psicologia e da Pós-Graduação da Uniube. Durante a passagem acadêmica, ela conta que fez três anos de Iniciação Científica, participou de congressos e seminários, publicou artigos e um capítulo em livro de pesquisa científica.


Para Carvalho, ter o apoio de professores durante esse período acadêmico e ter a vivência das pesquisas despertou-lhe o interesse pela docência. "Em agosto, terminei uma pós-graduação em Terapia Cognitivo-Comportamental, pois atuo na área clínica também. Fazer a pós-graduação me possibilitou ser hoje docente na Uniube, algo que foi planejado desde que tive contato com uma matéria lecionada nos primeiros semestres da graduação. Vi então que, como docente, eu poderia despertar a mesma paixão em meus alunos. Foi nesse período que me encantei pela docência", comenta.


A docente conta, ainda, que todo o processo de aprovação começou em abril, quando ela teve que se submeter a provas de proficiência, prova escrita e análise de currículo. A previsão de conclusão do mestrado é em agosto de 2023, mas Paula conta que as expectativas são as melhores. "Ser especialista e poder ensinar a teoria e supervisionar a prática dos alunos me dá a responsabilidade de colocar no mercado de trabalho profissionais que têm um olhar humano e científico e são capazes de fazer a diferença. E isso me deixa muito feliz, pois faço o que acredito e me capacito para isso. Com certeza, não vou parar no mestrado. Ainda tenho muita pesquisa pela frente", conclui.