Ex-aluna de Direito conclui Mestrado e se aprofunda em estudo sobre Propriedade Intelectual

21 de março de 18
1 / 1

A ex-aluna do curso de Direito da Universidade de Uberaba (Uniube), Maria Santos Branco Alves de Barros, graduada em dezembro de 2015, defendeu a inserção de um componente curricular relacionado em especial à Propriedade Intelectual (PI) em sua dissertação de mestrado.


Foi no estágio durante a graduação que a mestre percebeu a importância do componente. De acordo com Maria, o PI contribui para o crescimento profissional. “Quando o estudante de Direito toma conhecimento da matéria relacionada ao tema, a PI nacional passa a ter maiores chances de proteção e crescimento nos cenários científico, social e econômico. A nível pessoal, o profissional possui mais uma opção de linha de trabalho; e a considerar que a PI jurídica brasileira é carente de profissionais (em comparação aos países citados na dissertação) ”, e ainda complementa: “É possível concluir que a área supracitada é boa para o investimento de um recém-formado”.


Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em 2010 o Brasil tinha 1.240 cursos para formação de advogado. A mestre estudou 20 universidades, apenas duas possuíam a disciplina como obrigatória em 2015. A Uniube é uma dessas que ofertam, como obrigatório, um componente curricular relacionado à PI. “A Universidade pode promover eventos e feiras profissionais que possuam a PI como matéria a ser explorada”, diz Maria, destacando os benefícios de ter o PI em seu componente.


Com objetivo de aproveitar as oportunidades, a mestre atualmente está fazendo Doutorado na Universidade de Lisboa (ULisboa), com especialização em Direito Financeiro e Econômico Global. Ela ainda ressalta a importância da Uniube em sua formação e o incentivo que recebeu dos professores. “Fui incentivada por professores, durante o último ano de graduação, a investir na produção de artigos científicos. Por fim, a professora Andréa Fabri foi fundamental na conclusão do mestrado, visto que foi participante da banca examinadora da minha defesa”, conclui a mestre Maria Santos.