Alunos de Enfermagem desenvolvem ações de humanização no MPHU

11 de maio de 18
1 / 1

Os alunos do curso de Enfermagem da Uniube, por meio do projeto de intervenção "Quem sabe pode muito, quem ama pode mais", apresentaram na última sexta-feira (11), a realização de ações de humanização no Mário Palmério Hospital Universitário (MPHU). O projeto, que faz parte da disciplina de Estágio Supervisionado, visa articular a humanização, educação e integralidade na assistência hospitalar prestada a pacientes e familiares.


Para a apresentação do projeto, os alunos desenvolveram uma ação dentro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital. A ação, chamada cantinho da família, se tratou da montagem de fotos e desenhos selecionados e desenvolvidos por familiares dos pacientes internados no local. “Destaco a importância do projeto para os pacientes e seus familiares, que vivenciarão a experiência da internação de forma humanizada e acolhedora. Ainda, o projeto torna-se um legado dos alunos ao MPHU, que poderá manter a proposta e disseminá-la”, enaltece a coordenadora do projeto, professora Bruna Malagoli Rocha.


Os estudantes ainda apresentaram uma cartilha a ser implantada no local para que os familiares possam ser instruídos sobre o ambiente da UTI. “Com a sua implementação, podemos sanar dúvidas frequentes dos familiares, gerando uma maior tranquilidade e confiança no atendimento prestado. Nela, nós apresentamos o Hospital Mário Palmério e o serviço de apoio da VAMHUS; esclarecemos assuntos como horário e instruções aos visitantes, bem como normas e rotinas da UTI; e também destacamos a importância da higienização das mãos, instruindo o visitante como realizar procedimento”, explica a estudante de enfermagem Tainá Vilhar Siqueira.


Ainda segundo a estudante o atendimento humanizado é de suma importante para a qualidade do atendimento hospitalar prestado e a satisfação do paciente. “Este atendimento diferenciado prestado pelos colaboradores, proporciona um maior conforto, bem-estar, aproxima o paciente do ambiente familiar, minimiza o sofrimento mental e estabelece uma relação mais próxima entre a equipe multidisciplinar, o paciente e seus familiares", destaca Tainá.


A coordenadora reforça o interesse em continuar com o projeto e de expandi-lo para os demais setores de internação do MPHU. “Nós acreditamos que a humanização do cuidado também deve ser eixo norteador das ações em saúde, considerando a importância do trabalho multiprofissional e da comunicação intersetorial”, finaliza a coordenadora.